quarta-feira, 8 de julho de 2009

Mustardseed

"A humana, que estava de joelhos a olhar para mim, levantou-se. Um cão. Será ele?

[Medo]

Saio um pouco à volta do esconderijo e assusto-me com o que vejo. A humana esconde no rosto emoções um pouco dificeis de descortinar, como se um misto de medo e fascínio e eu não consigo controlar esta sensação de perigo à minha volta. Não consigo articular som, não me consigo mexer, e apenas me dou conta de que estou a brilhar até à exaustão. O cão ladra alguma coisa, com um ar feroz, meu deus, não pode ser o Puck! Assim que ele ladra, a humana toma uma dimensão que eu nunca vi num humano, parece uma bruxa, e o cabelo, meu deus, o cabelo fica do dobro do tamanho! Como é que é possível?! E o meu brilho, quanto mais brilho mais força perco e já me sinto desvanecer!

Eu tenho de ser forte, eu tenho, eu tenho!

[Escondendo-se nas raízes das árvores.]

Eu tenho de sair daqui! Eu tenho de parar de brilhar! Eu tenho de me acalmar!

Oh meu Deus. Respirar fundo, respirar fundo, respirar fundo!

[Desmaia.]

3 comentários:

  1. Ai!... não desmaies, isso é perigoso!

    ResponderEliminar
  2. é um excerto de um livro,ou palavras suas? gostei muito.

    ResponderEliminar